consciência fonêmica e a sua relação com o processo de alfabetização. O capítulo termina com uma reflexão sobre o ensino da ortografia. Todos os capítulos apresentam uma síntese dos conteúdos estudados e exercícios. Ao final do livro, há um glossário com a definição dos termos que aparecem destacados ao longo da obra, e uma chave de respostas comentadas pode ser baixada gratuitamente do site da Parábola Editorial, desde a página do livro no link   a seguir: https://goo.gl/TnFnke. Mais do que revisitar teorias e apresentar orientações práticas de transcrição ou análise de processos fonológicos, nosso objetivo é apresentar em uma linguagem bastante acessível as noções mais elementares da área a professores da educação básica e a estudantes de graduação em Letras e áreas afins, muitas vezes sem a formação e o conhecimento linguístico necessários para uma atuação eficiente no ensino da escrita e da leitura. Nosso fio condutor é a associação com a oralidade para enfrentar as dificuldades vivenciadas durante o processo de aprendizagem da escrita, principalmente na fase inicial da alfabetização. Não apenas no capítulo final, mas ao longo dos demais capítulos, são feitas observações e reflexões sobre o papel do professor frente a diferentes fenômenos abordados no livro. Esperamos que esta obra seja de real proveito aos que dela fizerem uso. Mikaela Roberto
5.1 Processos fonológicos por apagamento ou supressão .........................119 5.2 Processos fonológicos por acréscimo .......................................................... 121 5.3 Processos fonológicos por transposição .................................................... 122 5.4 Processos fonológicos por substituição...................................................... 123 5.5 Ressilabação ............................................................................................................. 126 5.6 Regras fonológicas ................................................................................................ 128 5.7 A fase de aquisição da linguagem ................................................................. 129 5.8 Os chamados desvios fonológicos ................................................................. 130 Síntese ................................................................................................................................. 134 Prática ................................................................................................................................. 135 6. Ortografia: repensar seu ensino   ....................................................................... 139
Estos tonos diferencian muchas palabras en Sueco. Dichas en el tono singular, las palabras anden, tomten, biten, y slaget significan el pato, el edificio, el pedacito y la batalla, respectivamente. Dichas en tono doble, significan el espíritu, el elfo, mordido y golpeado, respectivamente. El Castellano también usa acentos y tonos dinámicos, pero sólo en frases completas, tales como al final de las preguntas.
10. Usando la radio
A forma "adição" é uma das adaptações do inglês addiction, do verbo addict, que são, afinal, adaptações do latim ADDICTIO e ADDICERE, respetivamente. O verbo latino significa «dar o seu assentimento, aprovar, adjudicar (em lanço), vender; adjudicar a pessoa do devedor ao credor, para que este use daquela como seu escravo» (Dicionário Houaiss, 1.ª edição brasileira, 2001). As formas inglesas, por seu turno, desenvolveram ainda outros significados e com estes passaram ao português e a outras línguas, o que explica que tenham acabado por interferir na semântica de adicto. Esta situação é relativamente recente (não terá mais de quatro décadas) e tem-se caracterizado por certas oscilações na realização fonética – com e sem [k] –, o que explica que ocorram as formas "adição" e "aditivo" em alternância com adicção e adictivo. Estas últimas têm a vantagem de não se confundirem com adição e aditivo, que vêm do latim ADDITIO e ADDITIVUS, palavras que se relacionam com o latim ADDĔRE («acrescentar»).

5 minutos Publicamos recentemente um vídeo com algumas indicações de atividades para as crianças durante uma viagem. Nos comentários, os leitores nos presentearam com indicações criativas que merecem ser compartilhadas com outros pais. Escolhemos algumas que promovem o desenvolvimento da linguagem, exercitam a memória e o raciocínio lógico. Criando histórias e explorando a ordem alfabética Durante suas viagens, a Raquel Pereira brinca com toda a família de inventar narrativas ou diálogos explorando as letras do alfabeto. Ela diz uma frase cuja primeira palavra começa Continue lendo→
Iode = É o agrupamento de uma semivogal entre duas vogais. São aia, eia, oia, uia, aie, eie, oie, uie, aio, eio, oio, uio, uiu, em qualquer lugar da palavra - começo, meio ou fim. Foneticamente, ocorre duplo ditongo ou tritongo + ditongo, conforme o número de semivogais. A Iode será representada com duplo Y: ay-ya, ey-ya, representando o "y" um fonema apenas, e não dois como possa parecer. A palavra vaia, então, tem quatro letras (v - a - i - a) e quatro fonemas (v - a - y - a), sendo que o "y" pertence a duas sílabas, não havendo, no entanto, "silêncio" entre as duas no momento de pronunciar a palavra.
Se conoce articulación del sonido a la colocación específica de los órganos de la boca (labios, lengua, paladar, velo del paladar, dientes, alvéolos, y paladar duro) en el momento de producirse el sonido. Debido a la movilidad de dos de los órganos de la cavidad bucal, la lengua y los labios, es en ella donde se origina la mayor parte de los sonidos.
4.1. São estes os objetivos da disciplina Fonética e Fonologia do Português: (1) introdução aos estudos de fonética e de fonologia e (2) - treinamento em análise fonética e fonológica do Português. Mais especificamente, objetivamos o seguinte: (1) Levar o aluno a argumentar a favor ou contra hipóteses descritivas sobre a estruturação do sistema fonológico de línguas naturais;(2) Dar ao aluno um conjunto de noções teóricas que lhe permita desenvolver hipóteses explicativas para os processos fonológicos; (3) Apresentar aos alunos desde um ponto de vista histórico e descritivos os aspectos fundamentais da fonologia da língua portuguesa e (4) Levar o(a ) aluno(a) a aprimorar sua transcrição fonética com ênfase no Português Brasileiro(PB).

Os processos fonológicos, que são universais, podem ser examinados sob a ótica diacrônica, sincrônica ou sob ambas. Mikaela Roberto se detém na segunda, com vistas à aplicação aos estudos de aquisição da linguagem, à variação sociolinguística, às práticas de alfabetização e à clínica fonoaudiológica. É importante conhecer tais processos, que são naturais, para não confundi-los com desvios fonológicos. Sabemos da existência de uma tendência em curso nos primeiros anos do ensino fundamental: “patologizar” a criança que apresente algum problema de aprendizagem, particularmente no processo de alfabetização. Rotula-se a criança como disléxica, por exemplo, quando a causa está, muitas vezes, no despreparo do professor, na falha ou ausência de método e/ou na inadequação do material pedagógico. Sem priorizar o enfoque, a autora menciona a importância dos processos fonéticos e fonológicos nas mudanças das línguas (estudo diacrônico). No que se refere aos cursos de Letras, tais fenômenos vinham (e vêm) sendo estudados com o nome de metaplasmos, na disciplina de história (interna) da língua, sob o prisma filológico e como fatos isolados. O capítulo 6 é dedicado ao ensino da ortografia, ao qual os professores de português reservam grande espaço em suas aulas, sem obter os resultados desejados, uma vez que sua didática permanece centrada na memorização de regras e/ou de listas com exceções, sem um fundamento científico baseado nos princípios do sistema alfabético do PB. Mikaela Roberto demonstra que a ortografia pode ser ensinada de uma forma inteligente, valendo-se das generalizações e previsibilidades possíveis, ao se depreender a conversão dos fonemas em grafemas, independentemente do contexto fonológico, e a que pode ser prevista pela morfossintaxe (Scliar-Cabral, 2003). Ao final de cada capítulo, o estudante encontrará uma síntese dos conteúdos principais e atividades para autoavaliação. Ao final do livro, um glossário também auxilia o estudante a compreender o significado básico das palavras especializadas. Cumpre-se, assim, o objetivo da autora de produzir uma obra para iniciantes no estudo da fonética, da fonologia e da ortografia do PB.

Segundo dados da ASHA, em 2006 cerca de 91% dos terapeutas da fala acompanhavam casos de perturbações fonológicas ou articulatórias. Bowen (2009) afirma que cerca de 15% das crianças com 3 anos apresentam limitações ao nível da inteligibilidade do seu discurso e que 8% das crianças entre os 3 e os 11 anos de idade evidenciam algum tipo de perturbação fonológica.

7. Actividades Niveles A1 – A2 Los contenidos de las propuestas que aquí se presentan se vinculan con los que aparecen recogidos en el Plan Curricular del Instituto Cervantes. Niveles de referencia para el español (2006) en el inventario de Pronunciación y prosodia (A1-A2) : en el apartado 5.2.1. Identificación y producción de los fonemas vocálicos y consonánticos.
11. Usando la radio
6. ¡Y dale: sigue la teoría!…

Se conoce articulación del sonido a la colocación específica de los órganos de la boca (labios, lengua, paladar, velo del paladar, dientes, alvéolos, y paladar duro) en el momento de producirse el sonido. Debido a la movilidad de dos de los órganos de la cavidad bucal, la lengua y los labios, es en ella donde se origina la mayor parte de los sonidos.


II – Docente responsável: Professor assistente Vicente Martins. E-mail: vicente.martins@uol.com.br. Além deste Programa de Disciplina, foi elaborada uma Programação de Aulas, anexado ao presente documento, indicando e detalhando as datas de aulas e suas respectivas carga horária, atividades acadêmicas, ao longo das 60 horas/aula. O Programa da Disciplina (P.D) mais a Programação de Aulas(P.A) formam o que denominamos, academicamente, de Plano de Trabalho Docente (P.T.D).
Apresentação Este livro surgiu da necessidade de sistematizar os estudos previstos em disciplinas introdutórias aos estudos de fonética e fonologia em nível de graduação. Para além dos tópicos de fonética e fonologia comumente abordados em obras introdutórias sobre o assunto, esta obra estuda a relação oralidade-escrita, tópico nem sempre abordado nessas disciplinas, mas útil à formação de professores de língua materna e alfabetização. A conclusão da versão preliminar do livro coincidiu com o início das atividades do ProfLetras, mestrado profissional em rede proposto pelo MEC, com sede na UFRN, e do qual inúmeras universidades brasileiras fazem parte, somando esforços para fortalecer a formação dos professores da educação básica no Brasil. Esta obra contribui para essa formação, por ter sido escrita em uma linguagem acessível ao público ao qual se destina, promovendo reflexão sobre a relação entre oralidade e escrita nos seis capítulos em que está organizada. No primeiro capítulo, são apresentados conceitos gerais necessários aos estudos fonético-fonológicos. Faz-se uma breve introdução ao início desses estudos e, em seguida, são detalhados aspectos da fonética articulatória e da estruturação e funcionamento do aparelho fonador, essenciais à compreensão do processo de fonação e produção da fala. O capítulo ainda aborda noções basilares da fonologia, tais como fonema e alofonia, fundamentais para a compreensão dos capítulos seguintes da obra. No segundo capítulo, o quadro de fonemas do português brasileiro é contemplado, bem como os principais alofones da língua. A partir da classificação do Alfabeto Fonético Internacional (International Phonetic Alphabet — IPA), as vogais da língua são exploradas, com ênfase no esApresentação
La palabra clave aquí es distinguir. De hecho hacemos discriminaciones mucho más finas entre los sonidos, pero el idioma Inglés requiere sólo 40 (averiguar en Español). Las otras discriminaciones son las que nos permiten detectar las diferencias entre acentos, dialectos, identificar individuos, y diferenciar pequeños matices en el habla que indican mensajes más allá del significado obvio de las palabras.
Se emiten diferentes clases de vocales según varíe la posición de la lengua, tanto a partir de su eje vertical (alta, media y baja), como a partir de su eje horizontal (anterior, central y posterior). Por ejemplo, en español son vocales altas las vocales de la palabra huir; es decir, la [i] y la [u]. Son vocales medias la [e] y la [o]; es decir, las vocales de la palabra pero y es vocal baja la [a] de la palabra va. Así, la lengua va de abajo arriba para pronunciar las dos vocales seguidas de la palabra aire, pero desciende a una posición media para pronunciar su última vocal. Hace el camino contrario de arriba abajo para pronunciar puerta. Son vocales anteriores del español la [i] y la [e]; es decir, las vocales seguidas de la palabra piel; las vocales posteriores son la [o] y la [u]; es decir, las vocales de la palabra muro; la [a] es la vocal central. La lengua se mueve de atrás hacia adelante para emitir las vocales de la palabra totales, y hace el camino contrario para emitir las vocales de la palabra piélago. Las posiciones que mantiene la lengua para emitir las vocales u, i y a constituyen los vértices del llamado esquema vocálico uai.
“Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em quem aprender é uma aventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender para nós é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito.”
A Perturbação Fonética ou Articulatória, ocorre devido a fatores orgânicos ou funcionais, na força, como variações no tónus, execução de certos movimentos na boca o que levam a uma alteração na execução dos movimentos motores dos órgãos responsáveis pela produção da fala. Também a mastigação, respiração e deglutição podem estar alteradas. O que faz com que a criança não consiga realizar o movimento correto para a produção de determinado som.
5.1 Processos fonológicos por apagamento ou supressão .........................119 5.2 Processos fonológicos por acréscimo .......................................................... 121 5.3 Processos fonológicos por transposição .................................................... 122 5.4 Processos fonológicos por substituição...................................................... 123 5.5 Ressilabação ............................................................................................................. 126 5.6 Regras fonológicas ................................................................................................ 128 5.7 A fase de aquisição da linguagem ................................................................. 129 5.8 Os chamados desvios fonológicos ................................................................. 130 Síntese ................................................................................................................................. 134 Prática ................................................................................................................................. 135 6. Ortografia: repensar seu ensino   ....................................................................... 139
PROF. ÊNIO: Eu tenho a impressão de que os lingüistas gostam de complicar tudo. O meu primeiro professor de Lingüística uma vez me confidenciou: “Olha, como esses nossos colegas são complicados!” Outro disse: “Às vezes um artigo é compreensível só pelo autor e por Deus.” Tal o emaranhado de palavreado difícil, nomenclatura nova, um enrolar de linguagem que dificulta muito. Eu acho que não pode ser assim. É uma questão de caridade aquele que sabe alguma coisa transmitir para os outros de uma maneira mais tangível, mais simples. Veja as parábolas de Nosso Senhor. Que coisa mais simples do que aquilo! Os conceitos mais elevados transmitidos duma forma simples para pescadores, presumivelmente analfabetos, ou quase. Então, acho que assim é que se deve fazer.
De manera de estudiar los sonidos del lenguaje, primero necesitamos estudiar el tracto vocal. El habla comienza con los pulmones, los cuales inspiran y espiran aire.  El propósito inicial fue por supuesto obtener oxigeno y eliminar dióxido de carbono. Pero también es esencial para hablar. Hay morfemas que son  poco más que una inspiración: la h en inglés, por ejemplo.
×