[1] No dia 4 de junho de 2008, o professor Vicente Martins entregou uma cópia deste Plano de Disciplina, acompanhado da Programação de Aulas, à Coordenação do Curso de Letras para que, em reunião do Colegiado, procedesse com a leitura, apreciação crítica e avaliação acadêmica. Uma outra cópia dos dois documentos foi anexada à apostila (textos) dos alunos do 4° período, matriculados na disciplina Fonética e Fonologia da Portuguesa, no turnos matinal.
consciência fonêmica e a sua relação com o processo de alfabetização. O capítulo termina com uma reflexão sobre o ensino da ortografia. Todos os capítulos apresentam uma síntese dos conteúdos estudados e exercícios. Ao final do livro, há um glossário com a definição dos termos que aparecem destacados ao longo da obra, e uma chave de respostas comentadas pode ser baixada gratuitamente do site da Parábola Editorial, desde a página do livro no link   a seguir: https://goo.gl/TnFnke. Mais do que revisitar teorias e apresentar orientações práticas de transcrição ou análise de processos fonológicos, nosso objetivo é apresentar em uma linguagem bastante acessível as noções mais elementares da área a professores da educação básica e a estudantes de graduação em Letras e áreas afins, muitas vezes sem a formação e o conhecimento linguístico necessários para uma atuação eficiente no ensino da escrita e da leitura. Nosso fio condutor é a associação com a oralidade para enfrentar as dificuldades vivenciadas durante o processo de aprendizagem da escrita, principalmente na fase inicial da alfabetização. Não apenas no capítulo final, mas ao longo dos demais capítulos, são feitas observações e reflexões sobre o papel do professor frente a diferentes fenômenos abordados no livro. Esperamos que esta obra seja de real proveito aos que dela fizerem uso. Mikaela Roberto

O trato vocal feminino, por ser menor do que o trato vocal masculino, produz formantes com altas frequências. Sendo assim, uma vez que se assume que os formantes da fala feminina são mais altos se comparados com aqueles da fala masculina, assume-se, também, que o F3 de um /R/ produzido por uma mulher não deve estar situado abaixo de 2000 Hz, mas que esse F3 apresentaria um abaixamento proporcional, conforme afirma Hagiwara (1995). O exemplo acima, que sintetiza o padrão encontrado nos dados da informante PC, se enquadra nos resultados encontrados pelo referido autor para o /R/ retroflexo pós-vocálico do inglês, a partir de dados de fala feminina.
6.1 Ortografia: convenção que exige aprendizagem .................................... 139 6.2 A evolução ortográfica do sistema alfabético do PB ............................143 6.3 Os princípios do sistema alfabético do PB ............................................... 150 6.4 Consciência fonológica e alfabetização ....................................................... 156 6.5 O ensino da ortografia ........................................................................................ 160 Síntese .................................................................................................................................162 Prática ................................................................................................................................. 164 Referências ..............................................................................................................................167 Glossário ...................................................................................................................................171
Fazer exercícios é a única e melhor forma de aprender. Há sistemas de ensino espalhados no Brasil que propagam entre seus alunos a ideia de que aula dada é aula estudada. E é isso mesmo. Pensando neste aspecto do ensino, trazemos algumas questões interessantes de Língua Portuguesa enfocando a fonética e a fonologia. A única ressalva que faço é de que as questões de acentuação ainda estão grafadas segundo a ortografia corrente antes do acordo ortográfico.
28. Cada acento en su sitio…
Os símbolos fonéticos estão definidos no Alfabeto Fonético Internacional (IPA - The International Phonetic Alphabet). Estão diretamente relacionados com as letras do alfabeto, salvo algumas exceções. Nas transcrições, os símbolos fonéticos são escritos dentro de colchetes [ ]. O uso do til indica a nasalização da vogal e o uso do apóstrofo antes de uma sílaba indica a sua tonicidade.
Aunque se hable de tres fonéticas, no hay que pensar que son tres aspectos separados. La fonética es una sola. Esas tres partes son tres puntos de vista del mismo fenómeno. En cada momento se podrá adoptar el punto de vista más adecuado para describir un fenómeno, pero forzosamente esa perspectiva estará relacionada con los otros dos aspectos. De hecho, la onda sonora, aunque haya sido situada fuera del emisor y del receptor, se origina en el primero y es recibida por el segundo.

Na ministração da disciplina serão desenvolvidas aulas dialogadas e discussões sobre aplicação dos conhecimentos fonéticos e fonológicos ao ensino do português. Para a leitura e publicação de textos on-line, sobre fonética e fonologia do português, os alunos poderão acessar aos textos do professor Vicente Martins bem como de alunos que já apresentaram atividades na área, em semestres anteriores, para que os atuais tomem como referência de estudos e de formatação para edição on-line. O acesso aos textos será feito pelo blog http://fonetica-e-fonologia.blogspot.com/.
En los labios podemos hacer muchos sonidos también. Los más simples, tal vez, son los sonidos bilabiales, producidos al juntar los labios y luego liberar el sonido, tales como p y b, o al mantener los labios juntos y liberar el aire a través de la nariz, produciendo el sonido bilabial nasal m. También podemos oponer los dientes superiores con el labio inferior para los sonidos labiodentales, tales como la f.

2 minutos Neste vídeo vou apresentar a você uma atividade que faço com meu filho quando vamos ao mercado. Nesta atividade convidamos a criança a identificar e isolar o som inicial das palavras. Uma atividade muito interessante que pode ser praticada por crianças entre 3 e 6 anos, ou até mesmo por crianças mais velhas. Praticando esta atividade, as crianças começam a entender que as palavras são formadas por pequenas unidades: os fonemas – que neste vídeo, para facilitar nossa compreensão, chamarei de sons. Continue lendo→
Os processos fonológicos, que são universais, podem ser examinados sob a ótica diacrônica, sincrônica ou sob ambas. Mikaela Roberto se detém na segunda, com vistas à aplicação aos estudos de aquisição da linguagem, à variação sociolinguística, às práticas de alfabetização e à clínica fonoaudiológica. É importante conhecer tais processos, que são naturais, para não confundi-los com desvios fonológicos. Sabemos da existência de uma tendência em curso nos primeiros anos do ensino fundamental: “patologizar” a criança que apresente algum problema de aprendizagem, particularmente no processo de alfabetização. Rotula-se a criança como disléxica, por exemplo, quando a causa está, muitas vezes, no despreparo do professor, na falha ou ausência de método e/ou na inadequação do material pedagógico. Sem priorizar o enfoque, a autora menciona a importância dos processos fonéticos e fonológicos nas mudanças das línguas (estudo diacrônico). No que se refere aos cursos de Letras, tais fenômenos vinham (e vêm) sendo estudados com o nome de metaplasmos, na disciplina de história (interna) da língua, sob o prisma filológico e como fatos isolados. O capítulo 6 é dedicado ao ensino da ortografia, ao qual os professores de português reservam grande espaço em suas aulas, sem obter os resultados desejados, uma vez que sua didática permanece centrada na memorização de regras e/ou de listas com exceções, sem um fundamento científico baseado nos princípios do sistema alfabético do PB. Mikaela Roberto demonstra que a ortografia pode ser ensinada de uma forma inteligente, valendo-se das generalizações e previsibilidades possíveis, ao se depreender a conversão dos fonemas em grafemas, independentemente do contexto fonológico, e a que pode ser prevista pela morfossintaxe (Scliar-Cabral, 2003). Ao final de cada capítulo, o estudante encontrará uma síntese dos conteúdos principais e atividades para autoavaliação. Ao final do livro, um glossário também auxilia o estudante a compreender o significado básico das palavras especializadas. Cumpre-se, assim, o objetivo da autora de produzir uma obra para iniciantes no estudo da fonética, da fonologia e da ortografia do PB.
Tenho um garotinho que agora em 1 de Outubro vai completar três anos que o raciocínio é mais rápido q a fala então ele só fala frases curtas ,frases longas ele embola tudo como faço pra ajudá-lo já levei ao fono, neuro e psicóloga e eles falaram q a fala vai melhorar o neuro diagnosticou hiperatividade a psicóloga e a fono disseram q não pois ele consegue sentar pra fazer uma atividade etc elas falaram q ele é agitado. o que faço pra melhorar a fala dele? Me ajudem ele frequenta um canto recreativo coloquei pra ele socializar ele já melhorou muito mais gostaria de ajudá-lo mais
6. ¡Y dale: sigue la teoría!…

A palavra adicto (de adicção, no sentido de «vício, dependência») perde o c com o novo Acordo? Estou a ter muita dificuldade em encontrar fontes fidedignas relativamente a isto. Encontrar a palavra "adito" em vários sites não significa que esteja bem. Encontrei esta nota, que me parece bastante pertinente, mas ainda assim gostava de mais fontes "oficiais".


Gracias a la fonética experimental se sabe que la mayoría de los sonidos, en especial las vocales, están constituidos por combinaciones de unas pocas frecuencias, los llamados formantes, que permiten al oído reconocer dicho sonido. La existencia de formantes está relacionada con el hecho de que dichos sonidos son de hecho ondas sonoras. Otros sonidos como las fricativas carecen de formantes y presentan una combinación de ondas aperiódicas en una banda amplia de frecuencias.
Diariamente são entregues nos Correios, sem custo, cartas para o Papai Noel, escritas por crianças de Porto Alegre e grande Porto Alegre. Essas cartas passam por uma triagem que seleciona as cartas de crianças carentes de até 12 anos de idade. Após são levadas ao Espaço Cultural dos Correios, localizado na Rua Siqueira Campos, 1020 (térreo do Memorial do RS) e ficam a disposição de pessoas que queiram doar os presentes pedidos nessas cartas após lê-las. Os presentes devem ser entregues do dia 24/11/2008 até 19/12/2008 nas agências dos Correios e são distribuídas às crianças pelos correios gratuitamente. Participe e faça o natal de uma criança mais feliz!

Para o correto diagnóstico é necessário recolher informação relativa a aspetos como os fatores estruturais, a existência de dificuldades de coordenação motora e sensoriais, o desenvolvimento da linguagem e a fatores ambientais ou evolutivos. Para além destes aspetos, é necessário identificar-se os erros articulatórios propriamente ditos. Para isso, analisar amostras de fala espontâneas e aplicar testes de articulação, tais como: Teste de Articulação Verbal (TAV); Teste Fonético-Fonológico – Avaliação da Linguagem Pré-Escolar (TFF-ALPE); Prova de Avaliação da Articulação de Sons em Contexto de Frase para o Português Europeu.
A Fonética é o estudo dos aspectos acústicos e fisiológicos dos sons efetivos (reais) dos atos de fala no que se refere à produção, articulação e variedades. Em outras palavras, a Fonética preocupa-se com os sons da fala em sua realização concreta. Quando um falante pronuncia a palavra 'dia', à Fonética interessa de que forma a consoante /d/ é pronunciada: /d/ /i/ /a/ ou /dj/ /i/ /a/.
2.1 Alfabeto Fonético Internacional (IPA)............................................................ 43 2.2 Vogais ............................................................................................................................44 2.3 Consoantes do PB ....................................................................................................54 2.4 Glides ou semivogais ................................................................................................63 Síntese ....................................................................................................................................64 Prática ....................................................................................................................................66 3. Constituintes prosódicos ............................................................................................69
×