Os processos fonológicos, que são universais, podem ser examinados sob a ótica diacrônica, sincrônica ou sob ambas. Mikaela Roberto se detém na segunda, com vistas à aplicação aos estudos de aquisição da linguagem, à variação sociolinguística, às práticas de alfabetização e à clínica fonoaudiológica. É importante conhecer tais processos, que são naturais, para não confundi-los com desvios fonológicos. Sabemos da existência de uma tendência em curso nos primeiros anos do ensino fundamental: “patologizar” a criança que apresente algum problema de aprendizagem, particularmente no processo de alfabetização. Rotula-se a criança como disléxica, por exemplo, quando a causa está, muitas vezes, no despreparo do professor, na falha ou ausência de método e/ou na inadequação do material pedagógico. Sem priorizar o enfoque, a autora menciona a importância dos processos fonéticos e fonológicos nas mudanças das línguas (estudo diacrônico). No que se refere aos cursos de Letras, tais fenômenos vinham (e vêm) sendo estudados com o nome de metaplasmos, na disciplina de história (interna) da língua, sob o prisma filológico e como fatos isolados. O capítulo 6 é dedicado ao ensino da ortografia, ao qual os professores de português reservam grande espaço em suas aulas, sem obter os resultados desejados, uma vez que sua didática permanece centrada na memorização de regras e/ou de listas com exceções, sem um fundamento científico baseado nos princípios do sistema alfabético do PB. Mikaela Roberto demonstra que a ortografia pode ser ensinada de uma forma inteligente, valendo-se das generalizações e previsibilidades possíveis, ao se depreender a conversão dos fonemas em grafemas, independentemente do contexto fonológico, e a que pode ser prevista pela morfossintaxe (Scliar-Cabral, 2003). Ao final de cada capítulo, o estudante encontrará uma síntese dos conteúdos principais e atividades para autoavaliação. Ao final do livro, um glossário também auxilia o estudante a compreender o significado básico das palavras especializadas. Cumpre-se, assim, o objetivo da autora de produzir uma obra para iniciantes no estudo da fonética, da fonologia e da ortografia do PB.
De forma ilustrada e didática, o conteúdo explica como se dá esse processo: primeiro elas aprendem sons fáceis de pronunciar (P, D, B, M por exemplo), e em um segundo momento evoluem para sons mais complexos (L, R e RR). É comum nessa fase trocar algumas letras, como o P pelo B, por exemplo. O texto explica que as crianças aprendem primeiro a falar palavras completas (mamãe, papai, bola), e só depois aprendem a distinguir os sons individualmente.
2 minutos Neste vídeo vou apresentar a você uma atividade que faço com meu filho quando vamos ao mercado. Nesta atividade convidamos a criança a identificar e isolar o som inicial das palavras. Uma atividade muito interessante que pode ser praticada por crianças entre 3 e 6 anos, ou até mesmo por crianças mais velhas. Praticando esta atividade, as crianças começam a entender que as palavras são formadas por pequenas unidades: os fonemas – que neste vídeo, para facilitar nossa compreensão, chamarei de sons. Continue lendo→ 									

EnergiaCivilizaçãoCurso De Redação Londrina Redação Para Vestibular Poema De Amor Dica De Redação Aulas De Informática Terceira Idade Aulas De Informática Para A Terceira Idade Poema Sobre Cidades Mensagens Para WhatsApp Mensagens De Bom Dia Poema Sobre O Viver Haicai Sobre A Natureza Biografia Resumida Mar Observador Elementos Atômicos Realidade Fernando Pessoa Futuro Presente Passado Aceitação Hífen Dicas Imaginação Reflexão Associação De Ideias Mente Ideias Alfabeto Confiança Reflexões Quânticas Poder Medos Conteúdo Coerência Lógica Clareza Frase Bom Senso Curiosidade Humor Oceano Navegação Mundo Interatividade Computador Fórum Nova Era Antiguidade Felicidade Inventividade Chip Números Crônica Namorados Sonhos Determinação Numerologia Estilo Como Escrever Bons Textos Textos Objetivos Medo Redação Para Concurso Citações Carpe Diem Vocabulário Redação Para Concursos Paradoxos Textos Precisos Jeito De Ser Estilo Literário Poemas Sobre O Amor Poemas De Amor Poemas Românticos Poema De Fim De Ano Reflexão Filosófica Sobre A Vida Vida Poesia De Amor Poesia De Namorados Poema Romântico Poema New Age Poesia Filosófica Concursos Apresentação De Um Texto Poemas Sobre O Mar Estrutura Lógica Do Texto A Lógica Do Texto Escrita Curso De Redação Com Ana Setti Aulas De Redação Em Londrina Coaching O Que É Coaching Poesia Moderna Poema Sobre Mágoa Poema Sobre Dor Poema Triste Poema Sobre Perdas Poema Urbano Poemas Sobre O Homem Poemas Sobre O Viver Mensagens Para Amigos Mensagens Filosóficas Mensagens Sobre O Viver Mensagens Positivas Dica De Leitura Poema Curto Sobre A Natureza Como Pontuar Um Texto Aulas De Redação Com Ana Setti Rosa Poema Sobre O Tempo Poeira De Estrelas Azul Cor Safira Pintora Azul-Marinho Desejo Sonho Afeto Autoestima Mágoa Rejeição Posicionamento Base Minissaia Autorretrato Antessala Antirrugas Prefixo Antiesportiva Autoanálise Inspiração Viajar Com Palavras Fantasia Faz-De-Conta Ideia Amores Dama De Copas Valete De Espadas Histórias Fantasiosas Lágrimas Nuvens Escuras Trovões Gente Domingo Fog Alfazema Literatura Revista Exercício Guarda-Sol Protetor Espelho Pó De Arroz Prefixos Anteprojeto Multimídia Hiper-Realista Super-Racional Co-Herdeiro Super-Homem Pré-Histórico Micro-Ônibus Micro-Ondas Anti-Inflação Pré-Estreia Sub-Região Pan-Americano Hiatos Oo Ee Forma Eem Enjoo Voo Zoo Perdoo Abençoo Deem Creem Leem Homógrafas Para Pela Pelo Polo Pôr Pôde Fôrma Ditongos Abertos Plateia Estreia Heroico Colmeia Azaleia Panaceia Jiboia Claraboia Herói Anzóis Chapéu
Segundo dados da ASHA, em 2006 cerca de 91% dos terapeutas da fala acompanhavam casos de perturbações fonológicas ou articulatórias. Bowen (2009) afirma que cerca de 15% das crianças com 3 anos apresentam limitações ao nível da inteligibilidade do seu discurso e que 8% das crianças entre os 3 e os 11 anos de idade evidenciam algum tipo de perturbação fonológica.
A aquisição da linguagem sempre foi uma das áreas mais atraentes e estudadas da Linguística. Desde o início da sua fundação como ciência, a origem e os mecanismos que governam essa habilidade, tem fascinado não só profissionais da área como pessoas comuns. Talvez seja porque é a habilidade que nos distingue de todos os outros animais, ou até mesmo porque pais e mães de todo o mundo sempre esperaram ansiosamente pelos primeiros sons de seus filhos, balbucios aparentemente aleatórios aos quais se procura dar sentido. É comum os pais esperarem ansiosamente para ouvir o primeiro “papai” ou “mamãe” que a criança irá enunciar, seja em qual língua for.

La fonética (en griego: φωνητικά [fōnētiká], ‘vocal’) es el estudio de los sonidos físicos del discurso humano. Es la rama de la lingüística que estudia la producción y percepción de los sonidos de una lengua con respecto a sus manifestaciones físicas. Sus principales ramas son: fonética articulatoria, fonética acústica y fonética auditiva o perceptiva. Desde otro punto de vista, también se habla de la fonética experimental como rama aparte.


Com base nestes resultados de pesquisas semelhantes, é vital que pais e educadores entendam que, tanto as habilidades de consciência fonológica quanto fonêmica sejam desenvolvidas na primeira infância. É necessário que essas habilidades sejam explicitamente avaliadas no final da pré-escola, no primeiro ano de escolaridade formal e novamente no segundo ano.

Exemplo: bala e mala se diferenciam somente pelos fonemas “b” e “m”.                                                                                                                                                                         Não esqueça: Em muitas palavras os fonemas são somente uma letra, porém ele pode ser representado por mais de uma letra e ser um fonema só; afinal fonema é a representação sonora.          

11. Usando la radio


PROF. ÊNIO: A criança talvez não esteja percebendo que “z” é uma coisa e “v” é outra. Então ela terá de fazer exercícios com palavras que tenham “v” e palavras que tenham “z”. Assim vai haver a diferença entre elas, como quando a gente aprende uma língua estrangeira. Imagino que para a criança será a mesma coisa. Terá de se fazer um treinamento para distinguir um fonema de outro, exercícios de consciência fonológica e consciência fonêmica.
26. El bingo de los fonemas Listado 1 2 3 4 5 cero, cerro tasa, taza bata, pata día, tía guiso, quiso hiero, hierro masa, maza baño, paño codo, coto gorra, corra caro, carro cosido, cocido vino, pino dorso, torso galgo, calco para, parra caso, cazo beso, peso de, te toga, toca pera, perra seno, ceno cava, capa nada, nata gallo, callo coral, corral sima, cima van, pan deja, teja gol, col vara, barra siervo, ciervo viso, piso moda, mota gata, cata pero, perro as, haz velo, pelo hada, ata gana, cana coro, corro sueco, zueco vez, pez denso, tenso gama, cama
Expresso, ainda, meu eterno agradecimento à professora Leonor Scliar-Cabral (UFSC), primeiramente pelas primorosas aulas e orientações, que tanto fizeram diferença em minha formação acadêmica, mas também pelas riquíssimas e cuidadosas críticas e contribuições a esta obra, para que enfim chegasse à versão final e, também, por honrar-me aceitando o convite de prefaciá-la. Finalmente, agradeço a Deus pela oportunidade de cooperar, com este livro, para a formação linguística de professores, somando esforços para a melhoria da educação no Brasil.
pt 34 Como resulta de jurisprudência assente, a apreciação global do risco de confusão deve, em matéria de semelhança visual, fonética ou conceptual dos sinais em conflito, basear‐se na impressão de conjunto produzida por estes, atendendo, em especial, aos seus elementos distintivos e dominantes [v. acórdão do Tribunal de Primeira Instância de 14 de Outubro de 2003, Phillips‐Van Heusen/IHMI – Pash Textilvertrieb und Einzelhandel (BASS), T‐292/01, Colect., p. II‐4335, n.° 47 e jurisprudência aí referida].

En algunas lenguas, tales como en Francés, hay otra cualidad de las vocales, y es la nasalidad. Algunas vocales son pronunciadas con un flujo de aire a través de la nariz y de la boca. Originalmente, estos sonidos fueron simplemente vocales seguidas por consonantes nasales. Pero a través del tiempo, el Francés mezcló las vocales y las consonantes nasales en una unidad.
Es el estudio de la fonética desde el punto de vista de las ondas sonoras. Se ocupa de la medición científica de las ondas de sonido que se crean en el aire cuando hablamos. Así como a los fonemas les atribuimos unos rasgos articulatorios, a los sonidos les podremos atribuir unos rasgos acústicos: vocálico/no vocálico y consonántico/no consonántico, compacto/difuso sonoro/sordo, nasal/oral, intercepto/continuo, estridente/mate, grave/agudo. Estas mediciones se reflejan en espectrogramas, en los que quedan reflejados los distintos formantes en que se descomponen los sonidos.
pt 34 Como resulta de jurisprudência assente, a apreciação global do risco de confusão deve, em matéria de semelhança visual, fonética ou conceptual dos sinais em conflito, basear‐se na impressão de conjunto produzida por estes, atendendo, em especial, aos seus elementos distintivos e dominantes [v. acórdão do Tribunal de Primeira Instância de 14 de Outubro de 2003, Phillips‐Van Heusen/IHMI – Pash Textilvertrieb und Einzelhandel (BASS), T‐292/01, Colect., p. II‐4335, n.° 47 e jurisprudência aí referida].
29. Cada acento en su sitio…
Exemplo: bala e mala se diferenciam somente pelos fonemas “b” e “m”.                                                                                                                                                                         Não esqueça: Em muitas palavras os fonemas são somente uma letra, porém ele pode ser representado por mais de uma letra e ser um fonema só; afinal fonema é a representação sonora.          
2 minutos Neste vídeo vou apresentar a você uma atividade que faço com meu filho quando vamos ao mercado. Nesta atividade convidamos a criança a identificar e isolar o som inicial das palavras. Uma atividade muito interessante que pode ser praticada por crianças entre 3 e 6 anos, ou até mesmo por crianças mais velhas. Praticando esta atividade, as crianças começam a entender que as palavras são formadas por pequenas unidades: os fonemas – que neste vídeo, para facilitar nossa compreensão, chamarei de sons. Continue lendo→

28. Cada acento en su sitio…
Os resultados não refutam nem confirmam as proposições teóricas mencionadas, mas sugerem que esse processo pode depender de características individuais de cada criança e apontam para a necessidade de mais estudos que investiguem não só o papel da influência do ambiente, como também a interação entre criança e adulto durante o processo de aquisição.
O English4Brazil vai muito mais além do “the book is on the table” e do “verbo to be” que são “aprendidos” no colégio. Aqui, compreendi que, além da gramática e da ortografia, saber COMO se fala o Inglês é fundamental. A fonética, até então por mim desconhecida, passou a ser uma das principais ferramentas de aprendizado, aliada à interação constante com os professores e colegas e curso.
31. Cada acento en su sitio…
Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo reúne textos de Wallace publicados na imprensa americana – no formato de grandes reportagens, crônicas e ensaios. Entre os relatos, que seguem a vertente do jornalismo literário temperados com o humor irônico do autor, estão suas impressões sobre uma viagem pelo Caribe a bordo de um cruzeiro de luxo, um perfil do tenista Roger Federer, uma palestra sobre Franz Kafka e coberturas de eventos como uma feira agropecuária e um festival da lagosta. Companhia das Letras, 2012, R$ 31,50, em média.

É oportuna  a iniciativa de publicar uma obra de introdução aos estudos de fonética, fonologia e ortografia do português brasileiro (PB), destinada aos alunos da graduação de vários cursos nos quais tais conhecimentos são necessários, como os de Letras, Tradução, Fonoaudiologia e Educação. Evidentemente, adequar o registro de teorias muito complexas e específicas a estudantes iniciantes não é tarefa fácil, mesmo porque ainda há muita controvérsia entre as próprias teorias e subsistem algumas questões polêmicas da fonologia do PB, como é o caso da existência ou não de vogais nasais. No entanto, é conveniente que, até para o iniciante, sejam expostas várias teorias, embora discrepantes, para que ele desenvolva seu espírito crítico e não aceite nenhuma delas como verdade absoluta e inquestionável. Ao abordar as teorias fonológicas, Mikaela Roberto apresenta não só a proposta de Chomsky e Halle no The Sound Pattern of English, mas também as chamadas fonologias não lineares: a teoria autossegmental, a teoria métrica, a teoria lexical, a teoria da sílaba e a teoria prosódica. Grande espaço é dedicado no livro à variação fonética já descrita nas pesquisas sociolinguísticas brasileiras (capítulo 2) e, no capítulo 3, são apresentadas recentes teorias sobre os constituintes prosódicos, aplicadas à descrição do PB. A preocupação didática da autora perpassa o livro. No capítulo 4, ela exemplifica as transcrições fonéticas e fonológicas de palavras do PB, utilizando o IPA e se valendo da proposta de Cristófaro-Silva (2010). Prefácio


7.1. Entendemos «Avaliação» como o conjunto de procedimentos e ações que, em contexto de ensino-aprendizagem, determina o grau de aquisição pelos estudantes do conjunto de conhecimentos, aptidões e competências, previamente estabelecidos nos objetivos da aprendizagem de uma determinada unidade curricular ou no conjunto de um curso, correspondendo à apreciação dos resultados.
Expresso, ainda, meu eterno agradecimento à professora Leonor Scliar-Cabral (UFSC), primeiramente pelas primorosas aulas e orientações, que tanto fizeram diferença em minha formação acadêmica, mas também pelas riquíssimas e cuidadosas críticas e contribuições a esta obra, para que enfim chegasse à versão final e, também, por honrar-me aceitando o convite de prefaciá-la. Finalmente, agradeço a Deus pela oportunidade de cooperar, com este livro, para a formação linguística de professores, somando esforços para a melhoria da educação no Brasil.
Hermenêutica comunicação starwars afasia internacionalização arbitrariedade vocabulário português-Tupi línguas dragões de garagem percepção do tempo manifestações sociais História da filologia olimpíada de linguística gesto educação indígena redes sociais quilombolas podcast crase Leitura e escrita psicolinguística Análise de discurso o gorila invisível sujeitos de linguagem matemática queermuseu IEL pragmática trabalho de campo primatologia longa metragem libras bilinguismo Virgílio denis villeneuve lei de zipf lgbt scicast discurso surdez para palavras linguista pure word deafness variação linguística linguagem Teoria da tradução pensamento autoconsciência Competição gramática biolinguística metáforas inglês Gumbrecht sincronização da fala escola Teoria da literatura deviante exposição teste do espelho mcgurk enem monumentos ritmo memória transativa cinema atos de fala universidade Walter Benjamin atenção leitura heptapod nim chimpsky psicologia cognitiva evolução aprendizagem de línguas computacional São Jeronimo língua materna Derrida historia da sua vida poesia krenak olimpíada pokemon indigenismo Interpretação subvocalização língua de sinais história das ideias linguísticas frames comunicação animal amy adams zalizniak memes ufscar animais política indigenista OBLing jedi Santo Agostinho divulgação científica dado anedótico kaingang influência das línguas indígenas no português linguística histórica ouro neurolinguistica teoria da mente santander multilinguismo número de dunbar a chegada cultura semântica nerdcast fonética cidade filmes dublados yoda línguas africanas sociolinguística ficção científica the invisible gorilla cognição línguas indígenas prêmio capes de tese 2016 linguística Estudos Clássicos bronze problemas de linguística J. P. Schwindt elo2018 eventos linguísticos discurso urbano obl novas tecnologias de linguagem hashtags ideologia aurelia diversidade linguística linguística indigenista Sir Bobby Robson calão dança das abelhas lakoff insetos feminismo fala de criança Literatura Comparada Teoria da Filologia astrobiolinguística mulheres negras joel santana atenção seletiva gorila profissão linguista fonologia neurolinguística discursiva olimpíada internacional de linguística humanos variação simpbolismo sonoto eventos ETs zipf law educação fala lugares de fala pint of science sotaque joint speech mudança linguística língua Tupi argumentação Gadamer sintaxe iol koko surdos palavras de origem Tupi latim estudantes Origenes percepção da fala enunciação política de línguas dublagem Epistemologia mente efeito comico memória distribuída Hamacher subjetividade aquisição de linguagem Textualidade linguística computacional instrumentos linguísticos web arrival polêmica ted chiang sistemas dinâmicos kamaiurá Escola de Alexandria olimpíada nacional de linguística ciência medalhistas prata
Agradecimentos Agradeço a todos os que ajudaram para que este guia se transformasse em uma contribuição consistente à formação linguística dos leitores. Agradeço especialmente a meus alunos da primeira turma de mestrado do ProfLetras (2013) na UFRRJ, por suas observações à versão preliminar desta obra, adotada na disciplina “Fonologia, variação e ensino”; e aos alunos de fonética e fonologia do 5º período do curso de Letras da UFRRJ, turma 2013-2, que também estudaram uma versão preliminar desta obra. Agradeço a dedicação de Letícia Martins, bolsista em revisão do Laboratório de Assessoria Linguística (LAL) do Departamento de Letras e Comunicação (DLC) da UFRRJ, que ajudou a revisar a obra e a elaborar o glossário. Não posso deixar de registrar meu agradecimento a João Carlos Lopes, professor de língua inglesa da UFRRJ, pelo incentivo à publicação; e a Mônica Toledo Piza, professora de língua portuguesa da UFRRJ, pelo olhar crítico na avaliação das atividades propostas. Agradeço a Marli Hermenegilda Pereira, também professora de língua portuguesa na UFRRJ, por revisar com seu crivo técnico as várias versões que o texto ganhou, até estar pronto. Registro, ainda, meus agradecimentos a Gabriel Paz, aluno do curso de Belas Artes da UFRRJ, pela valiosa ilustração, e a seu orientador, Alexandre Guedes, por toda a dedicação e carinho em seu trabalho. À minha orientanda, Leda Loth, sou grata pelo auxílio nas reflexões relativas ao sexto capítulo. Ao professor José Magalhães (UFU), coordenador da área de “Fonologia, variação e ensino” do ProfLetras, agradeço por não ter poupado esforços para me auxiliar durante o processo de elaboração desta obra, com suas construtivas e preciosas sugestões, além de seu amplo incentivo para a publicação. Agradecimentos
A consciência fonológica refere-se ao desenvolvimento de diferentes componentes fonológicos da língua falada (Lane & Pullen, 2004, p.6)[1]. Os alunos que têm um alto nível de consciência fonológica reconhecem facilmente palavras que rimam, reconhecem as barreiras silábicas em padrões de palavras. As habilidades de consciência fonológica estão diretamente relacionadas ao sucesso (fluência) na leitura. Não é de se surpreender que leitores pobres em consciência fonológica concluam a alfabetização sem saberem ler, ou se o fazem, esta é fraca e sofrida.
O surgimento da civilização, no entanto, modificou a maneira tradicional como as pessoas agiam na realidade e interagiam com ela. As sociedades da Antiguidade ampliavam-se continuamente e havia que registrar, contabilizar, definir normas legais e de convivência social, difundi-las, fazê-las cumprir… Como conseguir isso sem um meio pelo qual a palavra falada pudesse ser convertida, de forma a tornar-se fixada e facilmente transmissível? 									

38. ¿Dobladores?
Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo reúne textos de Wallace publicados na imprensa americana – no formato de grandes reportagens, crônicas e ensaios. Entre os relatos, que seguem a vertente do jornalismo literário temperados com o humor irônico do autor, estão suas impressões sobre uma viagem pelo Caribe a bordo de um cruzeiro de luxo, um perfil do tenista Roger Federer, uma palestra sobre Franz Kafka e coberturas de eventos como uma feira agropecuária e um festival da lagosta. Companhia das Letras, 2012, R$ 31,50, em média.
Las cuerdas vocales pueden estar relajadas, con lo que el aire pasa entre ellas sin más, o tensas (estiradas), en cuyo caso vibrarán, creando sonidos. Algunos fonemas usan ese sonido, y son llamados sonoros (o tonales). Entre los ejemplos están las vocales y algunas consonantes (m, l, d, b  y r, por ejemplo). Otros fonemas no involucran la vibración de las cuerdas vocales, tales como las consonantes h, j, t y s, y son llamados sordos (no tonales).
A consciência fonológica refere-se ao desenvolvimento de diferentes componentes fonológicos da língua falada (Lane & Pullen, 2004, p.6)[1]. Os alunos que têm um alto nível de consciência fonológica reconhecem facilmente palavras que rimam, reconhecem as barreiras silábicas em padrões de palavras. As habilidades de consciência fonológica estão diretamente relacionadas ao sucesso (fluência) na leitura. Não é de se surpreender que leitores pobres em consciência fonológica concluam a alfabetização sem saberem ler, ou se o fazem, esta é fraca e sofrida.
A fonética do Inglês pode ser bem confusa. Como você deve saber, não há regras de pronúncia obrigatórias no Inglês, então se você ver uma palavra em inglês que você não conhece, você não vai saber como pronunciá-la. A mesma letra no Inglês, ou a mesma combinação de letras, pode ser pronunciada de forma diferente dependendo da palavra. Além disso, a mesma palavra no Inglês pode ser pronunciada de forma diferente por falantes nativos de diferentes países, ou até do mesmo país! É por isso que o idioma do Inglês é tão difícil de se aprender e de se entender. Mas você não tem medo da dificuldade, ou tem?
×