A grosso modo, a fonética é a área da linguística que se dedica a estudar os sons da fala no que diz respeito à suas características acústicas e físicas e a fonologia privilegia o estudo da organização dos sons nas diferentes línguas. Historicamente, essas duas faces da mesma “moeda” têm sido consideradas como áreas distintas ou indissociáveis, dependendo da proposição teórica assumida.
32. Cada acento en su sitio…
Expresso, ainda, meu eterno agradecimento à professora Leonor Scliar-Cabral (UFSC), primeiramente pelas primorosas aulas e orientações, que tanto fizeram diferença em minha formação acadêmica, mas também pelas riquíssimas e cuidadosas críticas e contribuições a esta obra, para que enfim chegasse à versão final e, também, por honrar-me aceitando o convite de prefaciá-la. Finalmente, agradeço a Deus pela oportunidade de cooperar, com este livro, para a formação linguística de professores, somando esforços para a melhoria da educação no Brasil.
Quando eu estava no jardim de infância, meu pai era professor e eles queriam alguém para ensinar por alguns anos no Japão. Então meus pais decidiram ir. Nós moramos no Japão por um ano. As crianças aprendem idiomas muito mais fácil, então fomos para a escola lá. Lembro-me de ouvir fitas de áudio para tentar aprender japonês, mas acho que muito disso foi apenas interação. Quando voltamos, eu tive que fazer "viciado em fonética", como eu tinha ficado para trás na leitura de Inglês.

El proceso de comunicación tiene seis elementos fundamentales: emisor, receptor, código, mensaje, canal y fenómenos extralingüísticos. La articulación, que es la última etapa del mensaje en el emisor, la estudia la la llamada fonética articulatoria. Se ha avanzado mucho en el área acústica. Esta pertenece al dominio de la física, ya que el fenómeno del sonido es un hecho puramente físico, en la etapa que va de la boca del emisor al oído del receptor. La fonética auditiva estudia el comportamiento de la onda sonora en el oído, pues se sabe que hasta el oído interno continúa estando la onda sonora; a partir del órgano de Corti, que conecta con el nervio auditivo, ya no existirán ondas sonoras, sino solo impulsos nerviosos.


21. El teléfono enredado

en ((Community trade mark - Opposition proceedings - Application for Community figurative mark GELENKGOLD - Earlier Community figurative mark representing a tiger - Relative ground for refusal - Likelihood of confusion - Alteration of the distinctive character of the earlier mark - Phonetic similarity of the signs - Article 8(1)(b) of Regulation (EC) No 207/2009))


An enhanced pedagogical framework provides a sophisticated and expedient set of linguistic tools. Written and oral exercises help students sharpen their pronunciation. Numerous maps, tables, figures, and illustrations guide students to an intuitive understanding of Spanish as used around the world. Augmented by online supplemental resources—including plentiful audio and video samples, class discussion topics, and group exercises— this textbook is designed to build students’ confidence while encouraging their participation and sharpening of conversational skills.

“Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em quem aprender é uma aventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender para nós é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito.”


Já a teoria MCL, que se ocupa do trato vocal inferior, propõe que a origem da fala está na laringe. De acordo com essa teoria, os primeiros sons, independentemente do ambiente linguístico no qual a criança está inserida, são produzidos nessa região do trato vocal. Segundo Esling, o trato vocal inferior da criança é mais adequado para combinações envolvendo consoantes laríngeas. A medida que o bebê se desenvolve, a fala vai se tornando cada vez mais bucalizada, ou seja, as vocalizações passam a se originar também das regiões mais superiores do trato vocal.
El modo de articulación se determina por la disposición de los órganos móviles en la cavidad bucal y cómo impiden o dejan libre el paso del aire. Esta acción puede consistir en la interrupción instantánea y completa del paso del aire para las implosivas; en dejar abierto el paso nasal, pero interrumpido el oral para las nasales; no es básicamente lo mismo producir un contacto con la lengua, pero dejar libre el paso del aire a uno y otro lado para las laterales; o producir una leve interrupción primero y dejar el paso libre después para las africadas; o permitir el paso del aire por un paso estrecho por el que el aire pasa rozando para las fricativas, y permitir el paso libre del aire por el centro de la lengua sin fricción alguna para las vocales.
O surgimento da civilização, no entanto, modificou a maneira tradicional como as pessoas agiam na realidade e interagiam com ela. As sociedades da Antiguidade ampliavam-se continuamente e havia que registrar, contabilizar, definir normas legais e de convivência social, difundi-las, fazê-las cumprir… Como conseguir isso sem um meio pelo qual a palavra falada pudesse ser convertida, de forma a tornar-se fixada e facilmente transmissível?
La palabra clave aquí es distinguir. De hecho hacemos discriminaciones mucho más finas entre los sonidos, pero el idioma Inglés requiere sólo 40 (averiguar en Español). Las otras discriminaciones son las que nos permiten detectar las diferencias entre acentos, dialectos, identificar individuos, y diferenciar pequeños matices en el habla que indican mensajes más allá del significado obvio de las palabras.
El proceso de comunicación tiene seis elementos fundamentales: emisor, receptor, código, mensaje, canal y fenómenos extralingüísticos. La articulación, que es la última etapa del mensaje en el emisor, la estudia la la llamada fonética articulatoria. Se ha avanzado mucho en el área acústica. Esta pertenece al dominio de la física, ya que el fenómeno del sonido es un hecho puramente físico, en la etapa que va de la boca del emisor al oído del receptor. La fonética auditiva estudia el comportamiento de la onda sonora en el oído, pues se sabe que hasta el oído interno continúa estando la onda sonora; a partir del órgano de Corti, que conecta con el nervio auditivo, ya no existirán ondas sonoras, sino solo impulsos nerviosos.
Tenho um garotinho que agora em 1 de Outubro vai completar três anos que o raciocínio é mais rápido q a fala então ele só fala frases curtas ,frases longas ele embola tudo como faço pra ajudá-lo já levei ao fono, neuro e psicóloga e eles falaram q a fala vai melhorar o neuro diagnosticou hiperatividade a psicóloga e a fono disseram q não pois ele consegue sentar pra fazer uma atividade etc elas falaram q ele é agitado. o que faço pra melhorar a fala dele? Me ajudem ele frequenta um canto recreativo coloquei pra ele socializar ele já melhorou muito mais gostaria de ajudá-lo mais
El aire pasa de los pulmones a los bronquios y después a la tráquea, en cuya parte superior se sitúa la laringe. En la laringe, se sitúan las cuerdas vocales, dos músculos flexibles que vibran con el paso del tiempo de la respiración. Si las cuerdas vocales se aproximan y vibran, se producen los sonidos sonoros. Por el contrario, si las cuerdas vocales no vibran y dejan pasar el aire libremente, se producen los sonidos sordos.
Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo reúne textos de Wallace publicados na imprensa americana – no formato de grandes reportagens, crônicas e ensaios. Entre os relatos, que seguem a vertente do jornalismo literário temperados com o humor irônico do autor, estão suas impressões sobre uma viagem pelo Caribe a bordo de um cruzeiro de luxo, um perfil do tenista Roger Federer, uma palestra sobre Franz Kafka e coberturas de eventos como uma feira agropecuária e um festival da lagosta. Companhia das Letras, 2012, R$ 31,50, em média.
Fazer exercícios é a única e melhor forma de aprender. Há sistemas de ensino espalhados no Brasil que propagam entre seus alunos a ideia de que aula dada é aula estudada. E é isso mesmo. Pensando neste aspecto do ensino, trazemos algumas questões interessantes de Língua Portuguesa enfocando a fonética e a fonologia. A única ressalva que faço é de que as questões de acentuação ainda estão grafadas segundo a ortografia corrente antes do acordo ortográfico.
30. Cada acento en su sitio…
PROF. ÊNIO: É uma questão bem interessante e muito atual. Nas línguas que são escritas temos a letra e o fonema, que são coisas diferentes. A letra é uma realidade visual, e o fonema é uma realidade acústica. Mas o fonema é uma abstração, é algo que existe na consciência do falante, e que vai se realizar na forma de um fone. O fone é aquilo que a pessoa concretamente ouve. E esse fone tem variantes, que são os alofones. Quer dizer, um mesmo fonema será pronunciado de maneiras distintas conforme a pessoa ou conforme a região do país. Eu dou o exemplo da palavra “porta”. Haverá pessoas da região de Maringá, Londrina, que pronunciam o “r” um pouquinho retroflexivo, ou seja, a ponta da língua se dobra um pouco para trás; outros pronunciam diferentemente, e os dois estão falando português, obviamente. Não quer dizer que um esteja mais certo do que o outro. É verdade que o alofone muitas vezes vai revelar a região de onde a pessoa vem ou onde ela aprendeu a falar. Então, a dica que eu queria dar é que às vezes a criança aprende a falar numa certa região do país, e com 5 ou 6 anos se muda com a família para outra região. Lá ela vai para a escola e os coleguinhas riem da pronúncia dela, acham que está errada, consideram-na quase um marciano. Porque a infância e a adolescência são implacáveis, estão sempre prontos a pegar no pé de alguém, ou porque tem um defeito físico, ou porque pronuncia desse ou daquele modo. Portanto, vamos ao menos evitar as confusões e as inimizades no campo da linguagem. A língua tem uma folga, permite que você pronuncie o fonema de uma maneira ou de outra, com um ou outro alofone. Existem diversas maneiras de pronunciar o “r” da palavra “rio”, mas o rio continua sendo o mesmo, aquela corrente de água doce. Portanto, essas variantes devem ser toleráveis, devem ser expostas para as crianças. Os pais devem dizer à criança: “Olha, há pessoas que pronunciam assim, outras pronunciam de tal maneira.” São meras variantes, mas todos estão falando português e não há razões para ficar traumatizado ou de traumatizar os outros com a diferença de pronúncia. É um mero alofone, uma mera variação, uma liberdade que o idioma dá. Assim, não existe uma norma específica de pronúncia dos alofones em português. A pronúncia do noticiário da televisão é que provavelmente será a norma, mas isso talvez só saberemos daqui a cem anos. Portanto, convido e convoco os pais a ajudarem os filhos a tolerarem as diferenças de pronúncia, porque isso é bom para a criança, é bom para os colegas e é bom para o aprendizado da língua.
Para o correto diagnóstico é necessário recolher informação relativa a aspetos como os fatores estruturais, a existência de dificuldades de coordenação motora e sensoriais, o desenvolvimento da linguagem e a fatores ambientais ou evolutivos. Para além destes aspetos, é necessário identificar-se os erros articulatórios propriamente ditos. Para isso, analisar amostras de fala espontâneas e aplicar testes de articulação, tais como: Teste de Articulação Verbal (TAV); Teste Fonético-Fonológico – Avaliação da Linguagem Pré-Escolar (TFF-ALPE); Prova de Avaliação da Articulação de Sons em Contexto de Frase para o Português Europeu.
Eu nasci 3 meses mais cedo e os médicos disseram à minha mãe que eu não iria conseguir, que ia morrer. A resposta da minha mãe foi: "Não, não, não, ele vai ficar bem ..." Ela não estava muito preocupada. E talvez seja porque ela tinha acabado de dar à luz e era meio maluca. De qualquer maneira eles fizeram meu pai se ligar e doar um monte de sangue e eu acho que deu certo, eu vivi. Eu fiquei no hospital por um tempo depois. Minha mãe ficou comigo e uma noite ela acordou do nada pensando: "É melhor eu dar uma olhada nele". Eu estava em uma incubadora. E note que é assim que ela me disse que foi. Ela disse que ela aleatoriamente sentiu algo que a fez querer se levantar e ir ver. Então ela olha e olha pela janela e vê que eu estou azul. Então ela chama a enfermeira e a enfermeira diz: "Ele está bem, ele está bem". Minha mãe disse: "Não, ele está azul!" então eles entram e descobrem que uma corda se soltou ou foi desfeita (eu estava ligado a todos os tipos de coisas), então, felizmente, eles entraram e consertaram-me. Ela deve ter tido a intuição da mãe.
3. Un poquito de teoría…
Segundo a professora, é interessante notar que os defensores do método fônico no Brasil são psicólogos, em sua maioria. “Eles não lidam com a língua enquanto sistema em implementação. Eles estão preocupados em encontrar uma metodologia que seja objetiva e controlada, para ensinar a ler e a escrever. Mas só isso não é suficiente hoje em dia”, afirma. De acordo com Colello, pode-se até ensinar a criança a ler e a escrever, mas se anulará o gosto que ela poderia vir a ter pela leitura.
A palavra adicto (de adicção, no sentido de «vício, dependência») perde o c com o novo Acordo? Estou a ter muita dificuldade em encontrar fontes fidedignas relativamente a isto. Encontrar a palavra "adito" em vários sites não significa que esteja bem. Encontrei esta nota, que me parece bastante pertinente, mas ainda assim gostava de mais fontes "oficiais".
Eu nasci 3 meses mais cedo e os médicos disseram à minha mãe que eu não iria conseguir, que ia morrer. A resposta da minha mãe foi: "Não, não, não, ele vai ficar bem ..." Ela não estava muito preocupada. E talvez seja porque ela tinha acabado de dar à luz e era meio maluca. De qualquer maneira eles fizeram meu pai se ligar e doar um monte de sangue e eu acho que deu certo, eu vivi. Eu fiquei no hospital por um tempo depois. Minha mãe ficou comigo e uma noite ela acordou do nada pensando: "É melhor eu dar uma olhada nele". Eu estava em uma incubadora. E note que é assim que ela me disse que foi. Ela disse que ela aleatoriamente sentiu algo que a fez querer se levantar e ir ver. Então ela olha e olha pela janela e vê que eu estou azul. Então ela chama a enfermeira e a enfermeira diz: "Ele está bem, ele está bem". Minha mãe disse: "Não, ele está azul!" então eles entram e descobrem que uma corda se soltou ou foi desfeita (eu estava ligado a todos os tipos de coisas), então, felizmente, eles entraram e consertaram-me. Ela deve ter tido a intuição da mãe.
CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ R548f  Roberto, Tania Mikaela Garcia Fonologia, fonética e ensino : guia introdutório / Mikaela Roberto. - 1. ed. - São Paulo : Parábola Editorial, 2016. 176 p. ; 23 cm. (Estratégias de ensino ; 55) Inclui bibliografia, índice e glossário ISBN 978-85-7934-124-3 1. Língua portuguesa - Fonética. 2. Língua portuguesa - Fonologia. 3. Língua portuguesa - Ortografia e soletração. I. Título. II. Série. 16-36168
×